aldeiadosaber

Este blog nasce da necessidade constante do debate, da reflexão, das trocas de idéias, conhecimentos, de compartilhar experiências. Aqui será o espaço de discutir educação, fazer educação, buscar educação e mostrar os exemplos que temos espalhados por aqui e por aí e em tantos lugares, pequenos e grandes, mas sempre muito inspiradores.

Vivemos numa sociedade que desde cedo nos aliena, mata nossas genialidades e nossas potências. Não existimos para o presente, para o aqui agora, construímos uma dinâmica cotidiana na qual nossas ações são praticadas e pensadas para o futuro, nunca para o presente. Vivemos para construir um futuro promissor, portanto devemos nos sacrificar. A recompensa é um lugar no céu. E o nosso têm sido terra. No olho do furacão, onde nada parece mais ter solução, surge o movimento contracorrente. Na verdade ele sempre existiu, mas passou por momentos de descrença diante das falsas facilidades e vantagens do outro modelo. Esse movimento que ressurge no meio dessa guerra intelectual e mercadológica, ressuscita pedagogias que valorizam o indivíduo como um todo e resgatam o ser criança de forma integral. Diversas escolas livres abrem as portas para mostrar que é possível amar aprender. Diversas famílias optam por educar pessoalmente seus filhos, pois acreditam na potencialidade inata dessas crianças. O aprendizado natural ressurge, ganha força e expressão através dos meios de comunicação aberta. Visando a mudança de paradigma social e educar um indivíduo para ser, não para ter. Acreditamos que para nós potencializarmos nossas potências precisamos de um ambiente potente, ou seja, um ambiente saudável onde a criança naturalmente pelo seu instinto animal irá correr, pular, trepar, cair, se molhar, se sujar. E isso faz com que a criança desenvolva seu corpo, sua motricidade e sua intelectualidade. Portanto, o dito ambiente deve contar com instrumentos e ferramentas para esta praticar e desenvolver seus interesses, pois não há dúvida, todos nós quando movidos por nossos interesses e paixões somos mais felizes, mais saudáveis e mais geniais. Não deixemos de ver-refletir também o outro lado da moeda, na questão prática do dia-a-dia. Uma educação desescolarizada além de requerer o tal ambiente potente requer também pais e mães potentes, pais e mães dispostos a aprender, a se interessar pelos desejos e paixões de seus filhos. Para isso, pais e mães precisam trabalhar menos (oito horas por dia de trampo, mais quatros horas de trânsito, sem contar os que ainda precisam levar trabalho pra casa, esgota qualquer ser humano), ganhar menos, almejar outra vida, encarar mesmo uma revolução. E não é fácil para nós que somos escolarizados até o talo, ocidentalizados de corpo e cristãos de alma. Mais de dois mil anos pesam nos nossos ombros. Tememos o futuro incerto. E sonho é sinônimo de utopia. Pois, tratemos diariamente de exercer a desescolarização, a descolonização, a descristianização. Porque junto com tudo isso vem o patriarcalismo, o machismo, o sexismo, o imperialismo e muitos outros ismos e istas. Pois, tratemos de transformar sonho em sinônimo de realidade. De viver o aqui agora. Pensando nestas questões em muitas conversas pela madrugada, que nós: Maíra Castanheiro e Débora Daltro, decidimos construir esta aldeia. Nossas pequenas sagitarianas nos inspiram a cada dia, nos despertando e nos trazendo para o presente. As autoras: Débora Daltro & Maíra Castanheiro. Salvador/Valle de Bravo, 19 de agosto de 2014.  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0
Rolar para cima